Bonito, Mato Grosso do Sul - 17 de Janeiro de 2022
Meio Ambiente

Programa Felinos Pantaneiros instala rádio-colar em onça-pintada na Serra do Amolar

Com monitoramento contínuo, será possível ampliar conhecimento sobre os felinos que vivem na região

Com informações de assessoria
Em 16 de Dezembro de 2021 às 14h29
(Divulgação)

Após os incêndios que atingiram o Pantanal em 2020, conhecer mais sobre as espécies que vivem na região se tornou ainda mais urgente. Afinal, qualquer informação pode ser primordial para a conservação da fauna pantaneira, e, em especial, das onças-pintadas, símbolo do bioma.

Na última terça-feira (14), o Programa Felinos Pantaneiros, encabeçado pelo IHP (Instituto Homem Pantaneiro), conseguiu instalar o rádio-colar em uma onça-pintada na RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) Acurizal, na Serra do Amolar. A captura do animal ocorreu com todas as licenças necessárias pelos órgãos ambientais.

Após receber o colar com gps, o macho Guató, como foi batizado, foi solto. Guató pesa cerca de 100 quilos e é considerado um jovem adulto, com idade entre três e quatro anos. A expectativa é que, com os dados do monitoramento, os pesquisadores consigam responder perguntas que, até então, estavam sem respostas.

“Vamos ampliar o conhecimento sobre como as onças utilizam a Serra do Amolar, ter informação genética dos animais, que é, hoje, uma lacuna dentro da ciência, informações sanitárias sobre a saúde deles”, exemplifica o coordenador do Programa Felinos Pantaneiros, médico-veterinário Diego Viana.

Em casos de desastres ambientais, como os incêndios de 2020, o monitoramento pode ser fundamental para garantir a conservação das onças-pintadas. “Em futuros casos de desastres, a gente consegue proteger essa área de vida dos animais baseado nos dados da rádio-colar, por exemplo”, lembra Viana.

O biólogo e professor da Universidade Estadual do Ceará, Hugo Fernandes, explica que o monitoramento também vai permitir saber o tamanho da área de vida do Guató, como o animal se comporta em relação às secas e cheias do Pantanal e quanto tempo fica em cada tipo de paisagem, por exemplo. “São questões de extrema importância para que a gente possa fazer o manejo adequado e, inclusive, das espécies em prol da sua conservação”, pontua.

Fernandes lembra, ainda, que essa instalação de rádio-colar é muito simbólica por acontecer no mesmo lugar onde houve a captura da primeira onça-pintada a receber um colar de monitoramento, na RPPN Acurizal, grande Reserva da Biosfera, ainda na década de 1970. “Ela aconteceu no mesmo local, hoje gerida pelo IHP. Lá, foi o palco para a instalação do primeiro rádio-colar em onça, capitaneada por George Schaller. Estar aqui, décadas depois, instalando mais um rádio-colar é dar continuidade ao legado de George Schaller. É um prazer para a equipe”, resume o biólogo sobre a emoção.

O Guató é a primeira onça-pintada capturada para instalação do rádio-colar na Serra do Amolar pelo IHP. Na região, porém, já mora Joujou, que também é monitorada via GPS pelo Instituto. Joujou foi uma das vítimas dos incêndios de 2020 e recebeu o colar após o tratamento ser encerrado. O macho, à época, foi solto na Serra do Amolar.

Resposta da natureza

O presidente do IHP, coronel  Ângelo Rabelo, afirma que esta é uma oportunidade que a natureza dá, após todo o enfrentamento aos incêndios em 2020, que mobilizou novos parceiros, a criação e instalação da Brigada Alto Pantanal, além da adoção de diversas tecnologias que garantem respostas mais rápidas e precisas.

“Esse monitoramento que será feito evidencia a força da natureza e a importância da Serra do Amolar para o bioma pantaneiro. E é uma resposta da Mãe Terra também a todos que confiaram no trabalho do IHP, nas iniciativas propostas para preservar e conservar o Pantanal e, principalmente, aos que colaboraram financeiramente ou com parcerias para que todo esse trabalho em prol do bioma fosse possível”, garante.

Além da equipe do Felinos Pantaneiros, coordenada pelo médico-veterinário Diego Viana, participaram da captura o médico-veterinário Joares May, da Fundação Panthera e Onçafari, o médico-veterinário Ronaldo Morato, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap/ICMBio), o biólogo Hugo Fernandes, do Laboratório de Conservação de Vertebrados Terrestres, da UEC, Jorge Salomão, da Ampara Silvestre, além de Grasiela Porfirio e Paula Helena Santa Rita, da UCDB.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Últimas notícias em Meio Ambiente
VER TODAS EM MEIO AMBIENTE
Notícias em destaque agora
Política de Conteúdo
O objetivo do Bonito Notícias é divulgar notícias, reportagens, entrevistas, eventos e outros conteúdos variados direcionados ao público de Bonito e demais regiões de Mato Grosso do Sul, assim como para leitores de outras regiões do Brasil e exterior. Para a construção dos textos usamos informações próprias, releases de assessorias de imprensa, internet, revistas, artigos e contribuições do público, imagens próprias e imagens de divulgação. Todas as fontes, créditos, e marcas d'água tanto de textos ou fotos são devidamente creditados. Caso você seja autor e se sinta prejudicado por qualquer foto/imagem ou texto publicado, entre em contato por e-mail e prontamente faremos a remoção.