Bonito, Mato Grosso do Sul - 26 de Setembro de 2020
Meio Ambiente

IHP analisa situação do Rio Perdido em Bodoquena

Sobrevoo do projeto Cabeceiras, do Instituto Homem Pantaneiro, mostra que a paisagem está preservada para a temporada de turistas.

Com informações de Campo Grande News
Em 20 de Dezembro de 2019 às 14h21
Foto aérea do rio Perdido na Serra da Bodoquena (MS). (Divulgação)

O Rio Perdido, em Bonito, um dos atrativos da região, segundo sobrevoo feito por equipe do Instituto Homem Pantaneiro, durante duas horas na última terça-feira (17), está com o cenário preservado, pronto para as fotos dos turistas na temporada de visitação à região mais procurada em Mato Grosso do Sul por suas belezas naturais.

Mas as imagens do verde conservado, são reflexo de trabalho de conservação feito a partir do diálogo e da compreensão de que, adotando ações de cuidado com a natureza, é possível assegurar o cartão postal. “Agradecem o meio ambiente e a própria atividade turística”, analisa o presidente do Instituto, Coronel Angelo Rabelo. Conhecido por ser entusiasta das ações para conservação do que a natureza criou, Rabelo é também um defensor da exploração sustentável. “Só existe um caminho para proteger os rios que é o engajamento dos produtores”, argumenta.

Depois de sobrevoar a região, como parte do Projeto Cabeceiras, o ambientalista registrou imagens que mostram um cenário que todo turista vai gostar de ver. Bem diferente das cenas mostradas, um ano atrás, em outros rios da região, turvos, barrentos, como reflexo das chuvas fortes, e também da manipulação humana.

Rabelo atribui a situação positiva ao trabalho realizado, principalmente, por donos das fazendas Princesinha, Ipê Branco e Bodoquena. Localizadas em região de “banhado” parecida com a do Rio da Prata, que no ano passado foi notícia por ficar bastante sujo e atrapalhar o turismo, essas propriedades atenderam ao pedido, segundo o coronel, e adotaram práticas que ajudaram a proteger o rio e a mata cilicar.

“Houve um pacto pró-Bonito e região no sentido de não avançar pra cima dos banhados”, comentou.

Ainda de acordo com ele, houve também um trabalho do governo do Estado, com a implantação, nas vias rurais, de uma espécie de “caixa de retenção”, para segurar a água da chuva, impedindo a invasão do manancial por terra e enxurrada.

Para o presidente do Instituto Homem Pantaneiro, a situação encontrada no Rio Perdido é a prova clara de que o diálogo é melhor do que a imposição. Ele diz isso para comentar que a situação de fazendas no entorno de outros rios, que está judicializada, sem previsão de término.

O Rio Perdido passa no Parque da Serra da Bodoquena, área de preservação ambiental de 76 mil hectares, composta de campos alagados, cerrados, floresta estacional e o maior trecho de Mata Atlântica do estado de Mato Grosso do Sul.

Rabelo observa que é uma região de alto potencial turístico e que hoje o rio é o mais conservado entre os que passam por ali: Betione, Formoso, Prata, Mimoso e Aquidauana.

Para ele, isso é um exemplo a ser seguido. “Enquanto a questão está judicializada, estamos perdendo um tempo que pode não ser possível de recuperar”, conclui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Últimas notícias em Meio Ambiente
VER TODAS EM MEIO AMBIENTE
Notícias em destaque agora
Política de Conteúdo
O objetivo do Bonito Notícias é divulgar notícias, reportagens, entrevistas, eventos e outros conteúdos variados direcionados ao público de Bonito e demais regiões de Mato Grosso do Sul, assim como para leitores de outras regiões do Brasil e exterior. Para a construção dos textos usamos informações próprias, releases de assessorias de imprensa, internet, revistas, artigos e contribuições do público, imagens próprias e imagens de divulgação. Todas as fontes, créditos, e marcas d'água tanto de textos ou fotos são devidamente creditados. Caso você seja autor e se sinta prejudicado por qualquer foto/imagem ou texto publicado, entre em contato por e-mail e prontamente faremos a remoção.