Bonito, Mato Grosso do Sul - 23 de Setembro de 2020
Meio Ambiente

Águas turvas dos rios de Bonito diminuem com ações do Governo

As chuvas que atingiram a região durante dezembro de 2019 e início de janeiro de 2020 causaram grande turvamento nos rios Formoso e Prata, em Bonito e Jardim.

Com informações de Semagro
Em 23 de Janeiro de 2020 às 13h36
Rio da Prata. (Marcos Amend)

A ação do Governo do Estado para a conservação do solo e da água, em conjunto com as prefeituras de Bonito, Jardim, produtores rurais e empresários dos atrativos turísticos desses municípios garantiu a redução no turvamento dos cursos d’água das bacias dos rios Formoso e da Prata, mesmo após as chuvas que atingiram a região ao longo do mês de dezembro de 2019 e nas primeiras semanas de janeiro de 2020.

Os resultados das ações realizadas a partir do Decreto 15.197, de março de 2019, que disciplina o uso correto do solo na região de Bonito e Jardim, foram apresentados em reunião realizada na terça-feira (21), pela Câmara Técnica de Conservação de Solo e Água. A Câmara, instituída pelo mesmo decreto, é presidida pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e tem em sua composição representantes da Semagro, Agraer, Imasul, Agesul, Famasul, Fundação MS, Embrapa, Prefeitura Municipal de Jardim e Prefeitura Municipal de Bonito.

“O Governo do Estado tomou uma série de medidas emergenciais. Esse decreto foi intensamente discutido com produtores rurais, trade turístico, Ministério Público, entidades civis e prefeituras e determinou que as propriedades rurais localizadas em Bonito e Jardim, antes de implantarem novas atividades agrícolas, nos apresentassem um projeto técnico de manejo e conservação do solo e água. Nós recebemos 21 projetos de propriedades rurais e 18 deles foram aprovados com algum tipo de ajuste necessário para que o pedido fosse atendido, sem prejuízo ao meio ambiente ou à atividade econômica. Agora, esses projetos estão sendo monitorados e avaliados”, comentou o secretário Jaime Verruck.

Edmundo Dineli, secretário municipal de Meio Ambiente de Bonito, informou que “nós tivemos um período de temporada com pouca chuva, mas logo no começo do ano, por volta do dia 8 de janeiro, nós tivemos um episódio de chuva de 200 milímetros na nascente do rio Formoso e o turvamento que observamos foi muito próximo daquele que nós víamos antes do episódio ocorrido no ano passado e o tempo de limpeza do rio foi de cerca de três dias. Esse é o indício de que as ações estão no caminho certo e que nós vamos lograr o êxito que almejamos”.

O titular da Semagro lembrou do trabalho de conservação das estradas realizado pela Agesul, com orientação da Câmara Técnica, por meio da Agraer e do Imasul. “O Governo fez uma ação forte na questão da conservação das estradas, tanto que neste ano nós tivemos chuvas tão grandes quanto no ano passado, em termos de milímetros, e os pontos de turvamento foram praticamente zero no município. Agora, continuamos monitorando e mostrando que a ação foi efetiva”, afirmou.

“O problema do turvamento dos rios após as chuvas, ocorrido em Bonito e região no ano passado, originou e demandou a Câmara Técnica. Após isso, muitas ações foram feitas. O objetivo dessa reunião foi o de compartilhar com as entidades representadas na Câmara todos os trabalhos que foram executados a nível de campo”, lembrou o superintendente de Ciência e Tecnologia, Produção e Agricultura Familiar da Semagro, Rogério Beretta.

A previsão, segundo o superintendente da Semagro, que acompanha o trabalho da Câmara Técnica, é de que sejam necessários cerca de três anos para implementação de um processo permanente. “Esse é um trabalho de conscientização e constante aprimoramento técnico. Nossa satisfação é que, mesmo com pouco tempo, já temos resultados satisfatórios, conforme foi comprovado e relatado pela prefeitura de Bonito e pelos proprietários dos passeios turísticos da região”, informou Beretta.

Entre as medidas que já foram implementadas pela Câmara Técnica estão as barreiras para reduzir a velocidade e direcionar as águas tanto nas lavouras quanto nas estradas vicinais. As etapas seguintes compreendem desde a reposição de vegetação nas margens dos rios até técnicas corretas de manejo do solo para evitar as erosões.

De acordo com o secretário Jaime Verruck, os próximos passos envolvem a identificação de pontos urbanos na região de Bonito que estariam provocando turvamento em alguns trechos de rio. “Nós temos algumas situações urbanas que estão causando um pequeno turvamento e precisamos. Também devemos avançar um pouco mais nas estradas estaduais e municipais, com o objetivo único de preservar uma atividade econômica com produção sustentável e, principalmente, todos aqueles atrativos que são uma referência para o Brasil”, afirmou.

O superintendente Rogério Beretta acrescenta que “são muitos trabalhos a serem feitos durante o ano de 2020. Nós temos ações de capacitação de técnicos, capacitações de produtores, capacitações de operadores de máquinas, temos o trabalho de conscientização dos produtores rurais sobre o manejo e conservação do solo e também de conscientização dos proprietários dos passeios turísticos. O planejamento começa a ser feito agora e vai ser realizado ao longo do ano deste ano juntamente com os integrantes da Câmara técnica”.

Para o secretário municipal de Meio Ambiente de Bonito, “a gente vai conseguir reverter esse cenário. Agora, o que nós precisamos, efetivamente, é de tempo para que as ações alcancem toda área que precisa ser atingida e também a população”, finalizou.

Representantes da Semagro, Agraer, Imasul, Agesul, Famasul, Fundação MS, Embrapa, Prefeitura Municipal de Jardim e Prefeitura Municipal de Bonito participaram da reunião. (Semagro)
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Últimas notícias em Meio Ambiente
VER TODAS EM MEIO AMBIENTE
Notícias em destaque agora
Política de Conteúdo
O objetivo do Bonito Notícias é divulgar notícias, reportagens, entrevistas, eventos e outros conteúdos variados direcionados ao público de Bonito e demais regiões de Mato Grosso do Sul, assim como para leitores de outras regiões do Brasil e exterior. Para a construção dos textos usamos informações próprias, releases de assessorias de imprensa, internet, revistas, artigos e contribuições do público, imagens próprias e imagens de divulgação. Todas as fontes, créditos, e marcas d'água tanto de textos ou fotos são devidamente creditados. Caso você seja autor e se sinta prejudicado por qualquer foto/imagem ou texto publicado, entre em contato por e-mail e prontamente faremos a remoção.