Bonito, Mato Grosso do Sul - 5 de Dezembro de 2019
Política

Importância das unidades de conservação é tema de audiência pública em Brasília

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável promoveu audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), sobre os benefícios das unidades de conservação para a economia e o desenvolvimento nacional.

Informações Agência Câmara Notícias
Em 05 de Junho de 2019 às 10h46
Nascente do Rio Olho Dágua, na RPPN Fazenda Cabeceira do Prata, em Jardim (MS). (José Sabino)
Deputados e especialistas de diversas áreas defenderam a importância das unidades de conservação não apenas para o meio ambiente, como para a economia. E afirmaram que um manejo adequado gera renda e proteção ambiental. A audiência foi promovida a pedido do deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP). Um dos participantes, o economista Eduardo Frickmann Young, professor do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), apresentou estudo que aponta o potencial econômico das áreas protegidas. “Temos que rever algumas ideias que estão ligadas a nosso passado tradicional, de ocupação predatória do espaço, para pensar em novo modelo. A forma predatória é insustentável e gera crises sociais. Antes de mais nada, a floresta nos dá madeira. Se manejar adequadamente, vai ter madeira para o resto da vida”, disse. Segundo ele, o mesmo se aplica a atividades como pesca e turismo. “Apesar de estarmos colocando poucos recursos orçamentários nessas unidades, elas já estão gerando R$ 100 milhões em arrecadação e são uma fonte de emprego”, disse. André Nahur, diretor da ONG Conservation Internacional, concordou. “A grande missão da conservação internacional é mostrar que é possível conservar e promover o desenvolvimento. A gente pode reduzir o desmatamento e trabalhar o desenvolvimento econômico”, disse. Ilegalidade A comissão discutiu também ameaças de diminuição ou anulação de unidades de conservação já existentes. O procurador da República Leandro Mitidieri Figueiredo, coordenador do Grupo de Trabalho de Conservação do Ministério Público Federal, apontou ilegalidade em eventual alteração de áreas por meio de decretos. “O Brasil se comprometeu internacionalmente a assegurar 17% de sua área terrestre como áreas protegidas. A Constituição também prevê que qualquer redução só pode ser feita por meio de lei. Vemos com muito espanto afirmações de que áreas serão reduzidas”, disse.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Últimas notícias em Política
VER TODAS EM POLÍTICA
Notícias em destaque agora
Política de Conteúdo
O objetivo do Bonito Notícias é divulgar notícias, reportagens, entrevistas, eventos e outros conteúdos variados direcionados ao público de Bonito e demais regiões de Mato Grosso do Sul, assim como para leitores de outras regiões do Brasil e exterior. Para a construção dos textos usamos informações próprias, releases de assessorias de imprensa, internet, revistas, artigos e contribuições do público, imagens próprias e imagens de divulgação. Todas as fontes, créditos, e marcas d'água tanto de textos ou fotos são devidamente creditados. Caso você seja autor e se sinta prejudicado por qualquer foto/imagem ou texto publicado, entre em contato por e-mail e prontamente faremos a remoção.