Bonito, Mato Grosso do Sul - 6 de Julho de 2020
Geral

Amazônia entra em estado crítico de acordo com relatório do IPCC

Segundo o relatório, as florestas são as mais atingidas pelo aquecimento global e, no caso da Amazônia, corre o risco de desaparecer até 2080.

Com informações de WWF Brasil e BBC Brasil - Ketlen da Silva
Em 09 de Agosto de 2019 às 09h47
Relatório exige medidas urgentes para evitar o avanço do aquecimento global. (Divulgação/WWF)
O Relatório Especial do Painel Intergovernamental (IPCC) foi divulgado nesta quinta-feira (08) na Coréia do Sul e analisa as perspectivas de limitar o aquecimento global a 1,5 °C em relação ao Período pré-Industrial e destaca a necessidade crítica de uma ação climática urgente. Aprovado por 195 governos, o documento evidencia as oportunidades que o mundo têm para sair do crítico caminho de aquecimento global. Esse relatório é o texto científico mais relevante sobre a mudança climática e deve orientar a tomada de decisões dos governos no aprimoramento de seus compromissos climáticos nacionais em relação ao Acordo de Paris. Ele esclarece que um cenário de 1,5 °C é mais seguro que 2 °C em termos de impactos climáticos, e que a permissão de que as temperaturas globais subam 2 °C acima dos níveis pré-industriais terá consequências ainda mais devastadoras, incluindo a perda de hábitats naturais e de espécies, a diminuição de calotas polares e o aumento do nível do mar, o que impactará a nossa saúde, nossos meios de subsistência, nossa segurança humana e nosso crescimento econômico. As emissões atuais levarão à quebra de inclinações, causando impactos irreversíveis, que serão fatais para as pessoas, nosso meio ambiente e nossa economia, com potencial de nos levar a limites onde é impossível se adaptar. Atualmente, muitas comunidades já estão sofrendo as consequências negativas de perdas e danos. Segundo o Dr. Stephen Cornelius, conselheiro-chefe do WWF internacional sobre mudança climática, as negociações duras já eram esperadas no relatório e as promessas dos países de reduzir a emissão de gases estão longe de limitar o aquecimento global a 1,5 °C. Cornelius chamou atenção para a urgência dessas ações: “Cada semestre é importante para as pessoas e para a natureza - esta é a realidade do nosso mundo em aquecimento. Sem cortes rápidos e profundos nas emissões de carbono, enfrentaremos impactos mais severos nos ecossistemas, desde os recifes de corais ao gelo marinho do Ártico e mais vida selvagem em risco”. O documento destaca que as promessas existentes sob o Acordo de Paris não são suficientes para limitar o aquecimento a 2°C, muito menos 1,5°C, e quanto mais o combate às emissões são atrasados, maiores os impactos climáticos - alguns até irreversíveis - e mais caras serão as soluções. O relatório do IPCC para análise do público foram encomendados pelos governos após a conferência da ONU em Paris em 2015, quando foi decidido limitar o aumento na temperatura média global a bem abaixo dos 2°C acima dos níveis pré-Industriais, colocando esforços para que esse aumento fique em menos de 1,5°C. Impactos no Brasil O diretor executivo do WWF-Brasil, Mauricio Voivodic, afirma que o relatório reforça a importância do Brasil intensificar a implementação de ações concretas que diminuam a emissão de gases de efeitos estufa, e não ir na contramão do Acordo de Paris, como têm feito de forma recorrente: “Há pouco mais de uma semana, deputados de Rondônia acabaram com mais de meio milhão de hectares de áreas protegidas na Amazônia. Isso é uma abertura para o desmatamento ilegal, perda de biodiversidade e um passo contrário ao que nos comprometemos nas Conferências de Clima. O Brasil é um dos principais atores nas negociações internacionais climáticas da ONU, e precisamos aumentar a ambição das nossas metas para garantir o limite de 1,5ºC ao invés de não cumprirmos aquelas que nós mesmos já estipulamos”. Ele também enfatiza o importante papel de cada pessoa nessa luta por um futuro de baixo carbono: “Nossas escolhas e hábitos, como diminuir o desperdício de alimentos dentro de casa, um consumo mais consciente, incentivando o comércio local e com produção mais responsável, com a economia de água e energia. Tudo isso faz parte. Mas também é importante que cada cidadão se lembre que a gestão pública, representada pelos candidatos em que acabou de votar, precisa ser cobrada por políticas mais firmes contra o aquecimento global”. Ainda segundo o relatório, a Amazônia, que já perdeu 20% de sua área original e enfrenta o perigo de se transformar parcialmente em savana em conseqüência do aquecimento global. Outras regiões do Brasil também seriam afetadas: a região Nordeste pode perder manguezais e ter suas fontes de água secas, transformando-se de território semi-árido em terra árida. No Sul, o aumento de precipitações pode obrigar a adaptação às populações. Mas o próprio órgão reconhece sua dificuldade em lidar com as chamadas "questões regionais", isto é, em avaliar o efeito da mudança climática sobre uma ou outra região específica. No caso brasileiro, por exemplo, a falta de dados limitou o esboço dos alertas. O perigo para a Amazônia é mencionado de passagem em trechos do relatório. Já em entrevistas com jornalistas, os cientistas disseram que entre 10% e 25% da floresta poderia desaparecer até 2080, dependendo de quanto for a elevação da temperatura. Por falta de dados, o grupo só pôde conferir uma probabilidade de 50% a esse evento, o que na classificação do IPCC significa "mais provável que improvável". Um dos modelos mais catastróficos analisado pelo IPCC, elaborado pelo Hadley Centre, mostra o ecossistema desaparecendo completamente até 2080. O desmatamento, um dos principais motivos do desaparecimento, é amplamente atribuído por ambientalistas a grileiros, fazendeiros de gado e plantadores de soja, acusados de forçar a expansão da fronteira agrícola para áreas virgens da floresta. O desflorestamento é a segunda maior causa de emissões de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, respondendo por 17,3% das emissões, segundo o IPCC. A primeira causa é a queima de combustíveis fósseis (56,6%). Os países são encorajados a anunciar seus compromissos revisados no Diálogo de Talanoa na 24ª conferência de partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP24), que será realizada em dezembro em Katowice, Polônia.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Últimas notícias em Geral
VER TODAS EM GERAL
Notícias em destaque agora
Política de Conteúdo
O objetivo do Bonito Notícias é divulgar notícias, reportagens, entrevistas, eventos e outros conteúdos variados direcionados ao público de Bonito e demais regiões de Mato Grosso do Sul, assim como para leitores de outras regiões do Brasil e exterior. Para a construção dos textos usamos informações próprias, releases de assessorias de imprensa, internet, revistas, artigos e contribuições do público, imagens próprias e imagens de divulgação. Todas as fontes, créditos, e marcas d'água tanto de textos ou fotos são devidamente creditados. Caso você seja autor e se sinta prejudicado por qualquer foto/imagem ou texto publicado, entre em contato por e-mail e prontamente faremos a remoção.