Bonito, Mato Grosso do Sul - 25 de Setembro de 2020
Saúde

Pó inalável pode ser ferramenta importante no combate ao coronavírus

O único antiviral usado atualmente no tratamento da SARS-CoV-2, o coronavírus que causa a COVID-19, é o remdesivir, mas a sua administração é invasiva e desafiadora. Cientistas da Universidade do Texas de Austin esperam mudar essa realidade usando uma tecnologia inovadora para administrar o medicamento através de inalação, o que pode tornar o tratamento mais poderoso, fácil e disponível.

Natani Ferreira
Em 03 de Agosto de 2020 às 15h40

Um time de pesquisadores da Divisão de Farmacêutica Molecular e Distribuição de Medicamentos, liderada por Robert Williams III investigou vários métodos de fornecimento de drogas para dar nova destinação à medicamentos já existentes em formas mais eficazes. No início do ano, a equipe focou na niclosamida e sua eficácia antiviral em células infectadas pela Covid-19. Desde então, remdesivir emergiu como o único antiviral disponível para tratamento do coronavírus.

Remdesivir é autorizado para uso emergencial em pacientes adultos e pediátricos hospitalizados com doença grave. Originalmente desenvolvido para tratar a ebola, remdesivir mostrou resultados promissores no tratamento da Covid-19 nas células epiteliais das vias aéreas de humanos. Porém, métodos de fornecimento efetivo limitado dificultaram os esforços para estabelecer tratamento amplo a uma maior quantidade de pacientes com sintomas graves.

"Infelizmente, remdesivir não é recomendado para administração oral já que o medicamento é em sua maior parte metabolizado pelo corpo, " diz Williams. " Injeção intramuscular também é um problema, pois as taxas de liberação dos músculos pode variar bastante."

Para fornecer remdesivir para outros pacientes além dos mais graves, formas de dosagens mais convenientes e acessíveis para administração devem ser desenvolvidas rapidamente e testadas em pacientes que tem mais opções de tratamento. Uma forma de superar as taxas de má absorção é administrar o medicamento diretamente na área infectada. A equipe de pesquisadores, que inclui Sawittree Sahakijpijarn, Chaeho Moon and John J. Koleng, criou formas inalatórias de remdesivir para proteger e tratar o modo respiratório da infecção, incluindo um pó matriz frágil e sem forma feito com congelamento de uma película fina. Esse método (inalação em pó) não só possibilitaria uma distribuição mais ampla de um medicamento antiviral essencial no combate ao COVID-19, como também pode tornar o remdesivir mais efetivo.

"Se os pacientes puderem evitar uma visita ao hospital para iniciar o tratamento, pode haver a diminuição da tensão em nosso sistema de saúde, diminuir o custo e proporcionar menos pontos de contato com aqueles que estão infectados, " diz Williams. " Métodos de intervenção disponíveis com maior amplitude podem diminuir significativamente os sintomas antes que eles se tornem letais, trazendo mais leitos de hospital e ventiladores para aqueles que mais precisam."

A Farmacêutica TFF adquiriu as patentes para a versão em película fina de congelamento e inalação. O resultado das pesquisas dos cientistas da UT foram publicadas recentemente como pré-impressão no bioRxiv. Com os resultados finais, a equipe irá enviar um relatório completo para revisão de pesquisadores e posterior publicação.

Veja aqui a matéria publicada no  The University of Texas at Austin !

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Últimas notícias em Saúde
Em 24 de Setembro de às 16h54
Avifavir é a primeira droga baseada em favipiravir do mundo a ser aprovada para o tratamento da covid-19. O composto é usado desde 2014 no Japão contra a gripe, com o nome comercial de Avigan.
Em 24 de Setembro de às 08h10
Atualmente o país possui 4.624.885 casos confirmados da doença.
Em 23 de Setembro de às 16h30
Etapa deverá incluir até 60 mil voluntários em 8 países, inclusive no Brasil, e aceitará participantes acima dos 60 anos e com doenças preexistentes. 
VER TODAS EM SAÚDE
Notícias em destaque agora
Política de Conteúdo
O objetivo do Bonito Notícias é divulgar notícias, reportagens, entrevistas, eventos e outros conteúdos variados direcionados ao público de Bonito e demais regiões de Mato Grosso do Sul, assim como para leitores de outras regiões do Brasil e exterior. Para a construção dos textos usamos informações próprias, releases de assessorias de imprensa, internet, revistas, artigos e contribuições do público, imagens próprias e imagens de divulgação. Todas as fontes, créditos, e marcas d'água tanto de textos ou fotos são devidamente creditados. Caso você seja autor e se sinta prejudicado por qualquer foto/imagem ou texto publicado, entre em contato por e-mail e prontamente faremos a remoção.