Bonito, Mato Grosso do Sul - 30 de Novembro de 2020
Geral

Guarda-vidas perde ação que acusa Prefeitura de Bonito de assédio moral

A profissional não conseguiu provar a acusação e terá que arcar com as custas processuais somadas em 10% do valor atualizado da causa.

Com informações de Midiamax e TJMS - Ketlen da Silva
Em 20 de Outubro de 2020 às 14h40
Balneário Municipal de Bonito (André Seale)

A Justiça negou pedido de indenização por danos morais movido por uma servidora municipal de Bonito, que alegou que ter sofrido assédio moral por parte da administração. A sentença foi publicada no Diário da Justiça de MS nesta terça-feira (20).

Conforme os autos, a autora atua como guarda-vidas no Balneário Municipal de Bonito e afirma ter sido “submetida ao sofrimento pelo desvio de função, maus tratos, perseguição pessoal e constrangimento, afrontando assim o seu equilíbrio emocional e atingindo sua esfera moral”. Ela afirma ter sido alvo de processo administrativo disciplinar para demiti-la, sem que houvesse apuração da infração praticada no exercício funcional.

A ação pedia a condenação do município ao pagamento retroativo de adicional de periculosidade e de pagamento de indenização por dano moral no valor de R$ 200 mil, com valor da causa arbitrada em R$ 250 mil. O município contestou argumentando, preliminarmente, a nulidade da ação, “uma vez que todas as petições e documentos foram liberados pela própria autora e não por sua advogada constituída nos autos”, já que, por ser servidora pública municipal, não pode exercer a advocacia contra o ente público ao qual está vinculada.

O município também relatou que a petição inicial é inepta, pois não contém pedido certo e determinado. No mérito, afirmou, que o pedido é fruto da insatisfação da profissional em relação ao processo administrativo disciplinar instaurado em seu desfavor e que encontra-se judicializado.

A sentença, assinada pela juíza Melyna Machado Mescouto Fialho, da 1ª Vara de Bonito, julgou o pedido inicial improcedente, considerando que a guarda-vidas não conseguiu provar, nos autos, o assédio sofrido. A magistrada destaca que documentos juntados aos autos iniciaram inquérito civil do MPMS (Ministério Público Estadual), que apontou que as condições de trabalho dos guarda-vidas no Balneário Municipal de Bonito eram de negligência geral e “não tinha por objetivo específico, humilhar e causar degradação à parte autora”.

A juíza também salienta que, ao consultar ação judicializada contra o processo administrativo, constatou que o mesmo foi anulado judicialmente “em razão da não observância de formalidades impostas pela Lei Municipal reguladora na condução do procedimento, não havendo análise meritória propriamente dita sobre as supostas condutas irregulares praticadas pela servidora”. A sentença também destaca que a opinião de testemunhas foi unânime em apontar que a servidora “possuía dificuldades de relacionamento com os funcionários do local e também com os frequentadores do local, além do que, constantemente, causava confusão no ambiente de trabalho”.

Com a decisão, o processo foi extinto com resolução do mérito e condenou a autora ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios fixados em 10% sobre o valor atualizado da causa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Últimas notícias em Geral
Em 26 de Novembro de às 14h48
O terceiro derivado de Harry Potter foi adiado para 2022.
Em 25 de Novembro de às 16h09
No último sorteio do concurso 2090 da Lotofácil, uma aposta acertou as 15 dezenas e ganhou mais de R$ 4 milhões.
Em 24 de Novembro de às 12h17
Francisco ficou 14 dias internado em um hospital particular de Goiânia. Velório e enterro são restritos à família e ocorrem no Cemitério Jardim das Palmeiras.
VER TODAS EM GERAL
Notícias em destaque agora
Política de Conteúdo
O objetivo do Bonito Notícias é divulgar notícias, reportagens, entrevistas, eventos e outros conteúdos variados direcionados ao público de Bonito e demais regiões de Mato Grosso do Sul, assim como para leitores de outras regiões do Brasil e exterior. Para a construção dos textos usamos informações próprias, releases de assessorias de imprensa, internet, revistas, artigos e contribuições do público, imagens próprias e imagens de divulgação. Todas as fontes, créditos, e marcas d'água tanto de textos ou fotos são devidamente creditados. Caso você seja autor e se sinta prejudicado por qualquer foto/imagem ou texto publicado, entre em contato por e-mail e prontamente faremos a remoção.